sexta-feira, 13 de outubro de 2017

14 de dezembro: os campos ocidentais da Líbia voltam online

Stratfor WorldviewInstantâneos
14 de dezembro de 2016 | 21:24 GMT

O Exército Nacional Líbio (LNA) anunciou a 14 dezembro que os oleodutos no Rayayina seriam reabertos dentro de um dia, permitindo que o Oil Corp. Nacional para trazer os campos de petróleo El Feel e El sharara na Líbia ocidental on-line novamente. 
Os campos foram fechados por quase dois anos e têm a capacidade de adicionar cerca de 400 mil barris por dia para a produção de petróleo da Líbia.

Os níveis de produção do país aumentaram nos últimos três meses, porque Field Marshall Khalifa Hifter - chefe da LNA - apreendeu os terminais de petróleo no leste que foram fechados pelo Petroleum Facilities Guard, liderado por Ibrahim Jadhran. 
A produção da Líbia, que atualmente é de cerca de 600 mil barris por dia, pode exceder 1 milhão de barris por dia em meados de 2017. 
El Feel e El Sharara foram bloqueados por aliados da LNA em Zintan, mas agora parece a National Oil Corp .e a LNA está se alinhando mais de perto para estabilizar as exportações de petróleo da Líbia.

O aumento da produção de petróleo terá consequências dentro e fora da Líbia, assumindo que o objetivo seja atingido.
Aumentar a produção para 1 milhão de barris por dia exigiria que os estados políticos e de segurança frágeis, fluídos e divididos da Líbia se mantenham juntos, o que, dada a história recente, está longe de ser certo.
Embora Hifter e o LNA agora estejam efetivamente no controle de todo o petróleo terrestre da Líbia, o Hifter ainda não controla Trípoli ou Misrata, e muitos grupos dessas cidades-chave vêem a LNA como uma ameaça.
A luta definitiva entre os governos rivais da Líbia e os jogadores de poder tem sido esporádica em 2016, mas poderia facilmente entrar em erupção agora que as milícias Misratan controlam Sirte e estão apenas 30 a 50 quilômetros (cerca de 20 a 30 milhas) das áreas de controle da LNA, o mais próximo delas tem sido desde 2014.

Fora da Líbia, o aumento da produção de petróleo irá complicar um já complexo contrato de petróleo da OPEP destinado a reduzir a produção dentro do bloco.
Os campos El Feel e El Sharara por si só poderiam fornecer perto do que a Arábia Saudita planejava cortar sozinho, embora Riyadh sinalizasse que cortes mais profundos são possíveis.
O enigma mostra claramente quão de perto o sucesso do negócio OPEP depende de membros ou não fora do Golfo realmente acompanhar, através de cortes e congelamentos planejadas.

Líbia: o chefe da OTAN adverte a Rússia contra a intervenção

Stratfor WorldviewRelatório sobre a situação
13 de outubro de 2017 | 16:55 GMT


O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, advertiu a Rússia contra a intervenção na Líbia, como fez na Síria, informou a Líbia Herald em 13 de outubro. 
Stoltenberg acrescentou que as implicações do envolvimento da Rússia na Síria devem ser evitadas na Líbia e instou todos os atores a apoiar a paz liderada pelas Nações Unidas esforços e o Conselho da Presidência reconhecido pela ONU para alcançar uma solução pacífica para o conflito Líbio
Representantes de lados opostos do conflito líbio reuniram-se em 26 de setembro na Tunísia para alterar o acordo de paz de Skhirat apoiado pela U.N. assinado em dezembro de 2015.

A Guerra Civil da Líbia
A queda do líder líbio Moammar Gadhafi quebrou o país que deixou para trás. 
Já não existe um governo central, mas três concorrentes, cada um com sua própria milícia para apoiar sua reivindicação de poder. 
Apanhados no fogo cruzado do conflito está a indústria de petróleo da Líbia, sobre a qual facções rivais competem para garantir maior fonte de receitas do país. 
Não há dúvida de que o caminho para a reconciliação será longo; a única questão é como violento será.

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Um plano para a Venezuela está parado novamente, novamente

Stratfor WorldviewAVALIAÇÕES
13 de setembro de 2017 | 11:31 GMT

Destaques
  • Negociadores do Vaticano, aparentemente, tentaram alistar a ajuda de Cuba para conceder ao presidente venezuelano Nicolas Maduro a opção de asilo, mas Havana rejeitou a oferta. A oferta de asilo parece ser parte de uma negociação mais ampla destinada a quebrar o impasse político entre o governo da Venezuela e sua oposição.
  • O governo de Cuba provavelmente reluta em conceder o asilo de Maduro porque sua partida poderia ameaçar o fornecimento de petróleo subsidiado da Venezuela.
  • Um plano desenvolvido pelo governo mexicano para enviar embarques de petróleo para Cuba poderia ajudar a reviver as discussões de asilo para Maduro. Com uma fonte mais segura de petróleo e combustível, Havana seria menos relutante em aceitar um pedido de asilo Maduro.

Em muitas partes do mundo, os interesses da Rússia, da China e dos Estados Unidos não se alinham. 
Mas, no que diz respeito à Venezuela, todos querem o mesmo: o fim da instabilidade política que afligiu o país e impediu sua economia. 
Mas até agora, os esforços externos para facilitar uma solução política para o pântano da Venezuela surgiram. 
Uma recente negociação mediada por enviados do Vaticano que permitiria que o presidente venezuelano Nicolas Maduro partiria para Cuba desmoronou, deixando os problemas políticos pegajosos do país para apressar.


Stratfor fontes relataram consistentemente que há mais de um ano, Maduro explorou a procura de asilo no exterior. 
Em 2 de setembro, o jornal argentino Clarin informou que um acordo proposto mediado pelo Vaticano para facilitar a passagem de Maduro a Cuba caiu. 
Nos termos do acordo que estava na mesa, Maduro teria partido para Cuba em troca das contínuas exportações de petróleo venezuelanas para o país da ilha. 
Como parte de seu esforço para garantir a partida de Maduro e um governo de transição na Venezuela, negociadores do Vaticano procuraram recrutar o governo da Rússia para pressionar o governo em Caracas por tal acordo. 
As negociações chegaram a um impasse porque alguns membros do governo cubano e das forças armadas, que não foram nomeados no relatório, não aceitam essa proposta.

A estabilidade política na Venezuela não virá facilmente em meio ao caos criado pela queda económica e ao crescente risco de desafios militares dissidentes para o governo nacional. 
No entanto, os governos em Washington, Moscovo e outros países continuam a trabalhar, tanto oficialmente como nos bastidores, para pressionar o fim da crise, embora seus motivos não se alinhem necessariamente. 
Os Estados Unidos gostariam de orientar a Venezuela de volta para a realização de eleições livres e justas e reduzir o risco de migração em massa do país. 
A Rússia gostaria de garantir que seus investimentos em energia na Venezuela permaneçam seguros. 
A China, por sua vez, está tentando salvaguardar não apenas os investimentos em energia, mas também os reembolsos continuados pelos extensos empréstimos que realizou na última década para Caracas. 
Cuba, que foi beneficiária de um fluxo de petróleo e combustível de baixo custo da Venezuela, gostaria de manter essa torneira fluindo o maior tempo possível.

O preço da estabilidade

Mas para garantir a estabilidade política, esses interesses externos devem primeiro facilitar um pouso suave para o governo Maduro, incluindo garantir a capacidade de Maduro de deixar o poder com segurança. 
Maduro não pode correr o risco de simplesmente demitir-se ou permitir-se ser eleito fora do poder. 
Um novo governo, especialmente um dominado pela oposição política, poderia levá-lo a julgamento na Venezuela ou extraditá-lo para os Estados Unidos, onde ele poderia enfrentar acusações criminais. 
Quanto mais Maduro se apega ao poder, quanto maior for o risco, os partidos da oposição planejarão desafios renovados e mais violentos para sua administração ou os membros dissidentes dos militares vão intervir. 
No entanto, a menos que ele receba uma garantia de que ele pode sair com segurança, mantendo dinheiro e outros ativos, Maduro não verá nenhum motivo para quebrar seus aliados políticos no governo. 
Portanto, é lógico que o Vaticano esteja tentando negociar sua saída segura do país - possivelmente em conjunto com os governos dos Estados Unidos e da Rússia.

Eventualmente, a oferta do Vaticano a Cuba ainda pode ser revivida, ou Maduro pode expressar o interesse renovado em um acordo. 
Outra rodada de negociações patrocinadas pela República Dominicana estava programada para começar em 13 de setembro. 
Mas dois obstáculos principais impedem o acordo de Maduro de sair da Venezuela. 
Para começar, a oposição política da Venezuela é relativamente fraca, e os defensores da administração de Maduro, como Diosdado Cabello e o vice-presidente Tareck El Aissami, conseguiram intimidar e dividir seus membros. 
A oposição também perdeu algo de sua alavanca contra a elite eleitoral venezuelana, já que o governo minou sua capacidade de impulsionar grandes protestos. 
Cabello e outros funcionários importantes controlam inúmeras instituições governamentais venezuelanas e não estão dispostos a ceder qualquer oposição.

Mesmo permitir eleições governamentais livres e justas apresenta problemas para Cabello e seus aliados, dado que governações são fundamentais para controlar as redes de patrocínio necessárias para pagar grupos armados que defendem o governo. 
Alguns segmentos da oposição, como o Voluntad Popular e Vente Venezuela, também não são susceptíveis de querer cooperar com um governo pós-Maduro que deixa indivíduos como Cabello em posições-chave. 
Qualquer acordo de asilo para o presidente pode não ser viável se nenhuma coligação da oposição capaz de administrar o estado após sua partida emerge e os restantes oficiais do partido no poder continuam intransigentes.
A refinaria Camilo Cienfuegos, um projeto conjunto da Venezuela e Cuba, foi inaugurada em 2007 sob o presidente venezuelano Hugo Chávez. Uma década depois, o petróleo continua a unir os dois países. Cuba conta com recursos de petróleo e combustível venezuelanos subsidiados para gerar eletricidade.

Objetivos e Objeções de Cuba

O governo cubano forma o outro grande obstáculo para um acordo da Maduro. 
A partida de Maduro deixaria a política externa da Venezuela para políticos como Cabello que não compartilham os laços estreitos de Maduro com o governo de Raul Castro. 
Os líderes do partido no poder que permaneceriam no comando estão mais preocupados com a sobrevivência do atual governo venezuelano acima de tudo. 
Assim, se Maduro cede o poder, os cubanos correm o risco de perder um aliado fundamental para conceder-lhes embarques de petróleo e combustível subsidiados. 
Uma perda de embarques de petróleo enfraqueceria o poder do governo cubano no poder, já que a maioria da eletricidade da ilha é gerada usando combustível e diesel. 
Na ausência de um novo consumidor de energia, os riscos associados a um acordo de asilo para Maduro podem ser simplesmente inaceitáveis ​​do ponto de vista cubano. 
Esta possibilidade de perder o fornecimento de petróleo provavelmente influenciou a decisão de Havana de pressionar para a nomeação de Delcy Rodriguez - um lealista de Maduro - como presidente da Assembleia Nacional Constituinte da Venezuela , que foi instalada em 30 de julho e regula por decreto.

A insegurança cubana sobre o futuro suprimento de petróleo é a razão pela qual o plano proposto pelo México para fornecer a Cuba petróleo subsidiado é importante para a Venezuela. 
Por mais de um ano, à medida que a capacidade da Venezuela para abastecer Cuba e os pequenos estados das Caraíbas e Centro-Americanas vacilou, o governo do México vem considerando assumir o controle de Caracas. 
Do ponto de vista estratégico, isso permitiria ao México aumentar a influência regional através das exportações de petróleo e possivelmente dar ao governo mexicano alavancagem adicional nas negociações comerciais com os Estados Unidos. 
Em contrapartida, Cuba enviaria transferências do México de produtos agrícolas, como o açúcar. 
O México também poderia fornecer investimentos para a economia cubana, algo que os Estados Unidos não podem oferecer com facilidade. 
Se o México decidir seguir em frente com seu plano, o governo cubano, com seu futuro energético seguro, talvez esteja mais disposto a reduzir um acordo para a partida de Maduro. 
Para Cuba, um acordo com o México também seria uma medida de paragem enquanto negociava o levantamento do embargo económico dos EUA. 
Havana e Washington estão se movendo lentamente na direção da normalização das relações económicas. 
Enquanto alguns funcionários do setor político e privado nos Estados Unidos apoiam o levantamento do embargo, esse movimento ainda não se tornou politicamente viável. Restrições recentes promulgadas por Washington sobre as transações entre cidadãos dos EUA e entidades do governo cubano tornaram mais difícil a normalização das relações entre os EUA e os cubanos a curto prazo.

Há muitos obstáculos que impedem um acordo para inaugurar Maduro fora do escritório. Alguns funcionários venezuelanos, como Cabello, relutam em conceder concessões a seus oponentes. 
Na ausência de um acordo com os Estados Unidos ou seus opositores políticos que protegem seus interesses, eles continuariam a governar por decreto com ou sem Maduro ao leme e cimentar um Estado de partido único na Venezuela. 
Mas se Maduro fizer outro movimento para garantir o asilo, seria um sinal de que o governo da Venezuela e os líderes da oposição estão dispostos a tentar chegar a um entendimento político e que atores externos, sejam Cuba, Estados Unidos, Rússia ou o Vaticano, estão trabalhando para afastar o país do confronto político.

EUA, Brasil: Jantar e um diálogo sobre questões comerciais

Stratfor WorldviewINSTANTÂNEOS
18 de setembro de 2017 | 19:49 GMT

O presidente dos EUA, Donald Trump, que permaneceu em Nova York depois de se dirigir à Assembleia Geral das Nações Unidas no início do dia, vai jantar hoje à noite com vários de seus colegas latino-americanos: o presidente brasileiro Michel Temer, o presidente colombiano Juan Manuel Santos e o presidente panamenho Juan Carlos Varela - além da vice-presidente da Argentina, Gabriela Michetti. 
O jantar oferece uma oportunidade para os líderes discutirem as relações EUA-América Latina em geral, bem como abordar questões regionais específicas, como a crise política venezuelana .

Trump e Temer também estão programados para ter seu próprio encontro bilateral à margem da reunião da ONU para se concentrar em questões comerciais entre seus países, incluindo a decisão do Brasil de 23 de agosto de impor uma tarifa de 20% sobre o etanol dos EUA. 
Uma parte provavelmente dessa discussão será uma recente barreira não-tarifária dos EUA sobre a carne de bovino brasileira e o acordo aéreo da Sky Sky, que teria levantado restrições nos vôos entre os dois países, facilitando a viagem. 
Esse acordo, assinado em 2011, nunca foi completamente implementado devido à oposição de companhias aéreas brasileiras e sindicatos.

A questão do etanol é particularmente importante para Washington porque Brasília impôs uma cota de tarifa no etanol dos Estados Unidos, que basicamente coloca um limite de 600 milhões de litros (158,5 milhões de litros) no valor que os Estados Unidos podem exportar sem tarifas para o Brasil anualmente. 
As exportações que excederão este limite receberão uma tarifa de 20%. 
Essa restrição veio em resposta a uma procura dos produtores brasileiros de etanol que reclamaram um aumento de 300% nas importações de etanol dos Estados Unidos no primeiro semestre de 2017, em comparação com o primeiro semestre de 2016.

É possível que os Estados Unidos possam impor alguma forma de retaliação comercial em resposta à tarifa de etanol, mesmo que Brasília argumenta que a quota que colocou no etanol dos Estados Unidos é semelhante à cota de Washington no açúcar brasileiro. 
Além disso, o Brasil enfatiza que, embora seu déficit comercial com os Estados Unidos tenha diminuído dramaticamente dos US$ 11 bilhões atingidos em 2013, ele permanece significativo - US$ 640 milhões em 2016. 

Também é provável que o Brasil apresente o atraso nos EUA ao levantar restrições à carne de bovino brasileira. 
Os Estados Unidos suspenderam as importações de carne bovina do país em junho devido a preocupações de segurança depois que uma alta percentagem da carne falharam testes regulatórios. 
As autoridades brasileiras argumentaram que a falha foi por causa de uma reação alérgica que o gado brasileiro tinha uma vacina contra a febre aftosa. 
Havia uma expectativa de que as restrições pudessem ser levantadas em agosto, mas ainda não aconteceu.

Finalmente, é possível que Trump traga a questão da Coreia do Norte com sua contraparte brasileira. 
Os Estados Unidos pressionaram sistematicamente os países latino-americanos a cortar os laços diplomáticos com Pyongyang. 
O México e o Peru seguiram através da expulsão dos embaixadores da Coreia do Norte. Mas o Brasil, um dos únicos países latino-americanos que mantém uma embaixada em Pyongyang, não deu nenhum sinal até agora que suspenderá os laços diplomáticos.

Diário Geopolítico: Uma Aliança 'Dragon-Jaguar'?

Stratfor WorldviewREFLEXÕES
21 de maio de 2009 | 00:08 GMT

O presidente chinês, Hu Jintao, e o presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, supervisionaram a assinatura de 13 acordos estratégicos de cooperação durante a visita de uma delegação brasileira a Pequim, que encerrou quarta-feira. 
Entre os principais acordos, havia um empréstimo de US$ 10 bilhões da China para o Petroleo Brasileiro SA (Petrobras), do estado brasileiro; o acordo exige que a Petrobras entregue até 200 mil barris de petróleo bruto por dia para a próxima década para a China. Também foi discutida a possibilidade de realizar comércio bilateral nas moedas domésticas dos países em vez de em dólares americanos. 
A visita, e particularmente os negócios económicos, fornece novas evidências para a tese de que a China e o Brasil estão em um caminho para uma aliança próxima que um dia pode gerar um contrapeso para a hegemonia dos EUA.

Entre os muitos adeptos sérios desta tese, a secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, que no começo de maio equiparou as relações da China com a América Latina com os do Irão. 
Ela disse que estava perturbada com as ações de Pequim para fortalecer as conexões económicas e políticas no continente. 
Antes de declarar os começos definitivos de uma aliança "Dragon-Jaguar" e aprofundar suas implicações para os Estados Unidos, no entanto, é útil explorar os impedimentos geopolíticos para tal parceria. 
As alianças, em particular o tipo estratégico a longo prazo, são pelo menos nominalmente sustentadas por quatro fatores gerais: património política comum, viabilidade de cooperação económica, objetivos militares comuns e inimigos ou ameaças comuns. 
Em termos de património político,

Em termos de objetivos militares e ameaças militares, os dois países não poderiam estar separados. 
A China é uma força terrestre que procura expandir suas capacidades navais para que possa projetar energia no controverso e volátil Mar da China Meridional, onde compete com Malásia, Filipinas, Taiwan e Vietname. 
Além disso, as principais preocupações de Pequim são as rotas comerciais marítimas nas proximidades que não controlam devido ao domínio naval dos EUA, como o Estreito de Taiwan e o Estreito de Malaca. 
Em contrapartida, o imperativo de segurança imediato do Brasil é controlar seu próprio território - incluindo a fronteira sul, em grande parte segura, com seu único rival regional real, a Argentina, bem como a selva amazónica selvagem. 
Isso faz com que os objetivos estratégicos do Brasil sejam inerentemente orientados para o interior e terrestre, e significa que o Brasil tem muito pouco a contribuir nesse ponto para a busca da China para garantir o transporte marítimo. 
A longo prazo, o Brasil certamente está interessado em desenvolver sua própria capacidade naval, e vê sua posição no Atlântico Sul como uma potencial alavanca estratégica no domínio do controle oceânico. 
No entanto, o Brasil se voltou para a França, e não para a China, para ajudar a desenvolver grande parte da sua capacidade naval, e tem muito espaço para crescer antes de se tornar um jogador global nesta arena.

A cooperação económica constitui um forte vínculo entre a China e o Brasil, e é claro que o comércio entre eles está crescendo rapidamente. 
Aqui, porém, a China e o Brasil estão separados por uma grande distância. 
As exportações de mercadorias para a China terão que aguardar a expansão do canal do Panamá (que deverá ser concluída em 2014) antes que eles possam começar com seriedade, mas mesmo com um canal expandido do Panamá, as rotas comerciais entre a China e o Brasil serão três vezes mais do que as atuais rotas que ligam China e Oriente Médio - não uma distância economicamente discountable. 
Militarmente falando, porque eles têm que atravessar o Canal do Panamá e ao longo da amplitude do Oceano Pacífico, as relações comerciais entre a China e o Brasil serão tão vulneráveis ​​à interdição naval dos EUA quanto as ligações da China com os produtores de energia do Oriente Médio. 
O que hoje parece ser um casamento óbvio das exportações brasileiras de mercadorias e o insaciável desejo da China por energia e minerais não pode durar para sempre. 
Por um lado, o Brasil não é uma nação em desenvolvimento nem uma economia do Oriente Médio baseada em exportações de mercadorias; É um país industrializado com uma economia diversificada e sem planos para se tornar a Nigéria da América Latina. 
Não obstante a recente descoberta de descobertas de petróleo, o Brasil ainda possui projetos para se tornar uma grande potência industrial e um centro financeiro para a América Latina. 
Com uma população de 200 milhões e uma economia de vários milhões de dólares que se classifica nos 10 maiores do mundo, o aumento do Brasil como potência industrial significa que seus dias de exportação de mercadorias são numerados: em última análise, visa satisfazer sua própria demanda crescente de energia e industrial. 
Se um caminho tão económico parece exagerado,

À medida que o Brasil se industrializa, ele se tornará um rival de comércio direto para a China, particularmente porque o mercado consumidor americano será o destino da maior parte dos produtos manufaturados de ambos os estados. 
Os Estados Unidos são o principal mercado de exportação da China (quando contabilizam os fluxos de comércio secundário que incluem toda a cadeia de suprimentos chinesa), uma variável chave para a economia exportada pela China. 
Pequim será extremamente cauteloso com qualquer coisa que ameaça abertamente esse relacionamento comercial. 
A China e o Brasil já são concorrentes globais na produção de avião regional de médio alcance; A geografia de ambos os países exige uma indústria de aviões regionais robusta para facilitar o transporte interno. 
Eles serão eventualmente enfrentados uns contra os outros na exploração de petróleo offshore, e não é plausível que eles também competirão em outras indústrias. 
Tanto a China como o Brasil estão mais interessados ​​em tirar o máximo proveito dos Estados Unidos como mercado do que em formar uma parceria económica "Dragon-Jaguar" que sustentaria uma postura política agressiva em relação a Washington. 
Isso também significa que, como durante a Guerra Fria, quando Washington separou a relação sino-soviética - uma aliança entre o Brasil e a China será uma que os Estados Unidos poderiam se fartar dando concessões paralelas sobre a outra. 
Para a China em particular, a análise de custo-benefício da intromissão no hemisfério dos EUA descontos uma aliança com o Brasil. 
Isso também significa que, como durante a Guerra Fria, quando Washington separou a relação sino-soviética - uma aliança entre o Brasil e a China será uma que os Estados Unidos poderiam se fartar dando concessões paralelas sobre a outra. 
Para a China em particular, a análise de custo-benefício da intromissão no hemisfério dos EUA descontos uma aliança com o Brasil. 

Há simplesmente muitas maneiras para os Estados Unidos contrairem a China em seu próprio bairro - especialmente ao apertar os parafusos em suas faixas do mar - para que Pequim arrisque irritar os americanos. 
O Brasil, por outro lado, tem muito pouco a ganhar com a China - um poder naval limitado do outro lado do planeta com o qual nem sequer compartilha um oceano - seu principal parceiro de segurança. 
Os Estados Unidos cercariam o Brasil com rivais regionais e, assim, frustravam a projeção de poder no Brasil na América Latina, com Pequim muito longe para ajudar. 
Ao formar uma parceria com a China, o Brasil criaria uma ameaça militar por si mesma que anteriormente não existia, em vez de aumentar a segurança através de uma aliança.

Influência econômica na América Latina não é tudo sobre comércio

Stratfor WorldviewAVALIAÇÕES
8 de setembro de 2017 | 11:59 GMT~
Destaques
  • O mercado interno do Brasil e os vínculos comerciais do México com os Estados Unidos continuarão a ser os principais impulsionadores do investimento estrangeiro direto (IDE) na América Latina.
  • O desempenho do IDE do Chile dependerá dos preços do cobre, enquanto a Argentina melhorará à medida que o país avançar para uma maior liberalização econômica.
  • A União Européia e os Estados Unidos continuarão liderando o investimento estrangeiro direto na América Latina, apesar da crescente presença chinesa na região.
Ao longo da última década, o aumento do comércio com a China ajudou a impulsionar o crescimento económico da América Latina. 
A procura de fornecimentos do país fez de Pequim o principal parceiro comercial de algumas das maiores economias da América Latina, incluindo Brasil, Chile e Peru. 
A presença crescente da China na região, particularmente na América do Sul, criou alarmes em Washington, que historicamente considerou a América Latina como um quintal Mas olhar para o comércio internacional sozinho seria deturpar a situação. 
Ao tentar entender as complexas estruturas económicas e as relações internacionais da América Latina, o investimento estrangeiro direto (IDE) é um dos indicadores mais importantes a serem considerados.

No mês passado, a Comissão Económica das Nações Unidas para a América Latina e o Caribe divulgou seu relatório anual sobre IDE na América Latina. 
Os dados do relatório mostram que mais de 53% do IDE total na região em 2016 veio da União Europeia, enquanto 20% vieram dos Estados Unidos. 
A China, por outro lado, contribuiu com apenas 1 por cento. 
O IDE total na região caiu 7,9 por cento em 2016 em comparação com 2015, para US $ 167 bilhões. 
E, a primeira vista, a queda pode parecer vinculada ao mergulho nos preços globais das mercadorias que prejudicaram o crescimento económico da região, não explica completamente o desempenho do IDE da região. 
No Brasil, por exemplo, o IDE aumentou quase 6% em 2016, apesar de um declínio de 3% no produto interno bruto do país. 
As mercadorias desempenham um papel importante na maioria das economias latino-americanas,

Brasil e México dominam

Dois terços do IDE total na América Latina em 2016 foram para o Brasil e o México, os países com as maiores economias da região. 
O Brasil tirou mais do dobro da quantidade de IED que o México tirou no ano passado, com US $ 78,9 bilhões, uma conquista impressionante, considerando que sua economia foi no segundo ano de recessão e seu governo na tentativa de impeachment.

O Brasil, lar de uma das dez maiores economias do mundo, tem um grande mercado interno de mais de 200 milhões de pessoas. 
As exportações, de fato, representam menos de um décimo do PIB total. 
A maioria das empresas estrangeiras que investem no Brasil não se interessa pelas exportações do país de matérias-primas, como minério de ferro, soja, açúcar e café, mas em seu potencial doméstico. 
Do dinheiro que as entidades estrangeiras investiram na nação sul-americana em 2016, 46% foram para o setor de serviços e 38% para a indústria de transformação. 
A produção de mineração e hidrocarbonetos representou a maior parte do resto. 
O grande mercado interno do Brasil continuará a atrair o IDE no país, e não o seu potencial de exportação. 
E, apesar de seus crescentes vínculos comerciais com a China, o Brasil recebeu mais de 70% de seu IDE total em 2016 da União Europeia.

O México, ao contrário, depende mais fortemente das exportações, que representam mais de 20% do PIB. 
Quase metade dos US $ 32,1 bilhões em IDE que o México trouxe no ano passado foi para seu setor de manufatura. 
A indústria automobilística tradicionalmente tem sido uma das principais indústrias do país, uma vez que as montadoras estrangeiras podem mover seus produtos de forma eficiente para o mercado dos EUA a partir de fábricas de montagem no México, evitando tarifas de importação. 
(Se o presidente dos EUA, Donald Trump, pressionar por regras de origem mais estritas ou tarifas maiores durante as negociações para atualizar o Acordo de Livre Comércio da América do Norte, o interesse na indústria automobilística do México pode diminuir.) 
Dada a proximidade e os laços estreitos com os Estados Unidos - o destino para 83% das exportações mexicanas - o México é um imã para o investimento dos EUA. 
O vizinho do norte do país liderou a lista de seus investidores estrangeiros em 2016, dando início a 38% de todo o IDE. 
A União Europeia foi apenas alguns pontos atrás, no entanto, em 31 por cento.

O custo dos produtos básicos

Em comparação com o Brasil e o México, a capacidade do Chile para atrair IED está mais ligada aos preços das mercadorias. 
As exportações são um componente vital na economia chilena, representando quase um quarto do PIB do país. 
Devido à confiança do Chile nas exportações e ao seu pequeno mercado interno, o IDE no estado sul-americano é volátil. 
O investimento estrangeiro no país caiu em mais de 40% em 2016, um ano ruim para os preços das mercadorias, como o cobre, um dos principais recursos económicos do Chile. 
A queda custou ao país seu título como o terceiro maior receptor de IDE da América Latina.

Para compensar suas receitas de mercadorias reduzidas, o Chile vem tentando diversificar sua economia e está empolgando para atrair investimentos em projetos de energia renovável. 
Seus esforços parecem estar a pagar; As iniciativas de energia alternativa atraíram 33% do IDE no país no ano passado. 
Ainda assim, entre o pequeno mercado do Chile, a distância das principais economias da região e sua dependência económica do cobre, o IDE no país continuará a flutuar.

Pagando o preço pela política

A Argentina, enquanto isso, oferece um exemplo clássico de como a política pode afastar os investidores. 
O país possui a terceira maior economia da América Latina, mas veio por trás do Chile e da Colômbia no total de IED em 2016. 
Apesar das grandes esperanças de que o presidente Maurício Macri melhore o clima de negócios, a Argentina ainda luta para atrair níveis de IED compatíveis com sua influência económica por causa das políticas da administração anterior. 
As restrições em moeda estrangeira, por exemplo, provaram ser uma barreira significativa para o IDE porque os investidores tiveram dificuldade em enviar lucros para casa. 
Os problemas económicos no Brasil, o principal parceiro comercial da Argentina, só agravaram sua situação.

Desde que assumiu o cargo em dezembro de 2015, Macri cumpriu algumas das suas promessas de tornar o país mais atraente para os investidores, levantando as restrições cambiais, reduzindo as importações e afastando-se dos planos de nacionalização. 
No entanto, os investidores estrangeiros ficarão cautelosos com o investimento na Argentina até que o seu governo decrete medidas para reduzir os custos trabalhistas e as taxas de imposto. 
O país atraiu apenas US $ 4,2 bilhões em IDE no ano passado, menos de um terço do montante que o Chile retirou.

China enfrenta uma curva de aprendizado

Independentemente das suas diferenças económicas e políticas, esses países têm pelo menos uma coisa em comum quando se trata do desempenho do FDI no ano passado: os investimentos da China em cada estado ainda pálidos em comparação com os da União Europeia e dos Estados Unidos. 
Ao contrário de suas contrapartes europeias e americanas, que têm uma longa história na América Latina, as empresas chinesas apenas começaram recentemente a estabelecer operações na região. 
Mas a China está começando a gastar mais dinheiro na América Latina, e nos próximos dois anos, seus investimentos na região aumentarão significativamente. 
A necessidade do Brasil de atrair investimentos para seus projetos de infraestrutura, por exemplo, dará a Pequim uma oportunidade de aumentar sua presença ali; já a China investiu fortemente em ativos elétricos no país. 
Os investimentos chineses no Brasil podem exceder US $ 20 bilhões neste ano.

Mesmo assim, companhias europeias e norte-americanas como a Volkswagen AG, a Nestlé, a General Motors Co. e a Ford Motor Co. foram estabelecidas na maior parte da América Latina há décadas e consolidaram suas marcas na região. 
Como resultado, eles terão pouca dificuldade em expandir suas atividades na América Latina, enquanto as empresas chinesas ainda enfrentam uma curva de aprendizado à frente deles antes que elas possam fortalecer seu controle sobre os principais mercados domésticos da região. 
Além disso, as negociações comerciais avançadas da União Europeia com o Mercado Comum do Sul , ou Mercosul, poderiam facilitar um maior investimento entre os blocos. Embora os investimentos da China na América Latina provavelmente cresçam, será longo o tempo até que Pequim possa afirmar a União Europeia e os Estados Unidos como os principais investidores da região.

terça-feira, 5 de setembro de 2017

Bloco BRICS reúne para traçar o futuro do mundo emergente

MUNDO
Lusa
04 Set, 2017, 07:37 / atualizado em 04 Set, 2017, 08:23

O bloco de grandes economias emergentes BRICS reúne a partir de hoje, para traçar o seu futuro, depois de no domingo o Presidente chinês, Xi Jinping, ter apelando aos países para que contrariem a tendência protecionista global.

A nona cimeira dos BRICS decorre até terça-feira, na cidade de Xiamen, costa leste da China, e reúne os líderes do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

Num discurso para líderes empresariais dos BRICS, na véspera do arranque da cimeira, Xi apelou àqueles países para que trabalhem no sentido de resolver os problemas suscitados pela globalização.

Xi reuniu também com o Presidente russo, Vladimir Putin, e abordou o último teste nuclear da Coreia do Norte - o sexto e mais poderoso até à data, que ensombra uma cimeira organizada pelo maior aliado de Pyongyang.

A agência noticiosa oficial Xinhua disse que Xi e Putin concordaram em "lidar adequadamente com a questão", mas não avançou mais detalhes.

A agência noticiou ainda que os dois lideres concordaram em reforçar a cooperação militar entre Pequim e Moscovo.

O bloco BRICS ganhou expressão pela primeira vez em 2001, quando o economista Jim O`Neill, da Goldman Sachs, publicou um estudo intitulado "Building Better Global Economic BRICs", sobre as grandes economias emergentes.

O grupo reuniu-se pela primeira vez em 2009 - na altura ainda sem a África do Sul - e logo estabeleceu uma agenda focada na reforma da ordem internacional, visando maior protagonismo dos países emergentes em organizações como as Nações Unidas, o Banco Mundial ou o Fundo Monetário Internacional.

O bloco instituiu também o seu próprio banco de desenvolvimento.

Xi Jinping afirmou que quer ver os BRICS a desempenharem um papel mais importante em questões internacionais, mas alguns observadores afirmam que o bloco está a perder poder, devido à rivalidade entre China e Índia e o fraco crescimento económico do Brasil, Rússia e África do Sul.

Evandro Carvalho, professor visitante no Centro de Estudos dos BRICS da Universidade Fudan, em Xangai, explicou à agência Lusa que a cimeira deste ano ocorre num contexto "bem diferente" do de 2009, quando o bloco se reuniu pela primeira vez.

"Na altura, os países viviam uma situação económica muito melhor e bastante favorável para desenvolverem uma série de iniciativas", explicou.

No discurso de domingo, Xi afirmou que "a cooperação entre os países BRICS não se trata de conversa fiada, mas uma força que faz as coisas acontecerem".

"O nosso objetivo é construir um grande mercado de comércio e investimento, promover o fluxo de moeda e finanças, melhorar a conetividade das infraestruturas e construir uma ligação próxima entre os povos", afirmou.

Diferenças políticas e económicas, no entanto, continuam a existir entre os membros do bloco, que variam entre sistemas democráticos e autocráticos, com alguns dos países a manterem forte controlo governamental na economia e sociedade civil.

A exportação de matéria prima continua a ser o motor das economias do Brasil, Rússia e África do Sul, enquanto China e Índia são orientados para o setor dos serviços e manufatura.

Para o académico Evandro Carvalho, o "facto mais complexo" da cimeira de Xiamen é a recente disputa fronteiriça entre China e Índia, que colocou soldados dos dois países frente a frente, no planalto de Doklam (ou Donglang, em chinês), nos Himalaias, durante dez semanas.

Soldados indianos entraram em território que Pequim reclama seu e travaram a construção de uma estrada, que Nova Deli afirma que teria "sérias implicações para a segurança da Índia".

O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, deve reunir com Xi na terça-feira.

Evandro Carvalho considera que a disputa fronteiriça entre Pequim e Nova Deli vai envolver um "esforço brutal" de diplomacia, no qual os outros membros do bloco podem ser "importantes intermediadores".

A convite da China, a nona cimeira dos BRICS vai contar com a participação dos líderes do Egito, Guiné, México, Tajiquistão e Tailândia.